berreiro das oito

Standard

Já quase esqueci como eram os gritos dos meus filhos, quando bebês.

A gente esquece logo, talvez numa política de autodefesa. Mas a vizinha de apartamento daqui me fez recordar.

Não sei se é menina ou menino. Grito não tem sexo, nessa idade. Todos são agudos e doídos.

A coisa começa todo dia lá pelas oito da noite. E dura cerca de meia hora. Depois, antes e depois, por sinal, silêncio total. A ou o nenê é um burocrata do choro. Com horário de expediente e dia certo.

Fiquei pensando aqui com meus zíperes o que motiva toda essa dor nesse horário.

Novela das oito? Jornal Nacional? Engarramento da volta do trabalho? Sim, porque por todos esses motivos ou por cada um em particular, eu mesma já dei muitos gritos.

Volta dos pais para casa? Ou do pai, em particular, uma vez que a mãe ainda está de licença, pelo que eu vi? Pode ser. Tem marido que quando volta deixa saudade de quando vai embora.

Queda de temperatura? Também pode ser. Meu maridão, por exemplo, por volta das seis da tarde, já começa a tiritar, no inverno ou no verão. Sempre tenho a mão um kit de sobrevivência nesses casos: luvas, cachecol, e em casos de urgência, aquecedor. Como ele é assim desde que o conheci, já la vão quase cinquenta anos, é de se supor que tenha sido também uma criança friorenta, como talvez seja a minha vizinha ou vizinho.

Hora do banho, já pensei nisso. Eu dava banho nos meus filhos nesse horário. Parece que eles dormiam melhor, depois. Podemos ter aqui ao lado um ser político e conscientizado, que se recusa aos berros a gastar água em momentos de seca como vivemos hoje.

Um ser diurno, que se entristece com o cair da noite? Seria poético mas acho pouco provável.

Dor de barriga noturna? Já tive muitas, principalmente depois de jantares regados a vinho e alguma coisa gordurosa. Também pouco provável. A “coisa gordurosa”nessa idade. Já vinho não sei. Minha avó misturava água e açúcar ao vinho e dava a todos os netos, independente da idade.

Preciso conhecer este ou esta vizinha. E quando ele ou ela tiverem idade pra falar, perguntar o motivo de tanta choradeira.

Por enquanto, fico com o que minha pragmática mãe diria:

É manha.

Quando casar, passa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *