38 graus

Standard

6jh8jmfxe5l19995391rdfkeu

O ser humano é um dos seres mais adaptáveis que existem. Credito a isso e não necessáriamente a uma capacidade de solução de problemas sua supremacia. Embora essa supremacia possa estar com os dias contados, mas isso é outra história.

Mas somos bem adaptáveis. Ao frio, ao calor, à falta de alimentos, a políticos corruptos, a salgadinhos de isopor e doces sintéticos. A adaptação não é um bem ou um mal por si só.

Passamos por uma onda de calor no Brasil inteiro. Somos um patropi mas tudo tem limites.

Poderíamos não sair de casa nas horas mais quentes. Inviável pra quem trabalha de dia. Talvez os DJs, os guardas-noturnos, os lobisomens e aquelas que minha avó chamava de damas da noite . Que por sinal, trabalham período integral.

Os demais mortais precisamos trabalhar de dia. Com sol ou não.

Pode-se ligar ar condicionado.

Pode-se. Se  pudermos financeiramente.

Os outros, que andamos de ônibus (sem ar condicionado) temos que nos contentar em entrar em lojas e bancos que o tenham.  E ficar um pouquinho, pra secar.

Pode-se usar ventiladores.

Pode-se. Em lugares parados, embora existam ventiladores de grudar em vidros de ônibus como vi ainda hoje. O que esses chineses não são capazes de inventar, além do macarrão!!

Pode-se tomar vários banhos ao dia. Mas demanda tempo e água, que tem faltado. Pode-se lamentar não ter nascido bacalhau pra ficar de molho durante dias, mas as vantagens acabam aí.

Pode-se usar leques e chapéu. Eu uso. Além do guarda-chuva, já que sombrinha é coisa do passado e ninguém tem mais. Alivia um pouco.

Eu tenho feito de um tudo pra dormir. Ventilador ligado na direção da cara, ausência de roupa, afastamento do maridão que irradia altas temperaturas, até molhar o corpo e deixar o ventilador secar já fiz.

Não obtenho muito bons resultados porém. Acordo sempre estremunhada desejando ter dormido algumas horas a mais.

Mas quem sou eu pra reclamar? Adapto-me.  Sou um ser humano.

Pior seria acordar barata como o Gregor Samsa e não ter nem um escurinho pra ficar.

O preço da supremacia é esse.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *