de casamentos

Standard

Como casar? Sei lá por que, mas eu tinha essa dúvida na cabeça quando era criança.

Perguntava ao conselho das sábias de casa, minha mãe e minha avó materna, que sempre morou conosco.

Bom, dizia minha avó Marianina, sempre existe a tia Maria.

A tia Maria, irmã dela, era a casamenteira da família e acho que do bairro. Mas ela morava bem longe da gente. Quando eu a via nos casamentos – arranjados por ela ou não – eu tinha muito medo. Era uma mulher séria, bigoduda, de birote e uma montanha de cravos no nariz. Eu levava broncas da minha mãe porque não conseguia parar de olhar aquilo tudo.

Ela se encarregava, segundo dizia minha avó, de mandar cartas pra Itália pra saber de rapazes que viriam pra cá, e, ao mesmo tempo, garantia que eles, ao virem, já tivessem uma esposa em vista. Em vista dela, não deles.

Aqui a mulherada que topava tal arranjo, geralmente era “encalhada”, como se dizia na época. Gente que, aos 25 anos em diante, já era considerada “tia”. Hoje “tia” é qualquer professora de pequenos, mas naquela época era palavrão.

E os casamentos saíam. Um que eu conheci dava pena. Tinham dois filhos, mas acho que os fizeram bem rapidinho, entre uma briga e outra. Não paravam de se alfinetar.

Fora a tia Maria, havia os “amigos dos irmãos” e as “amigas das irmãs”. Era muito comum os namoros surgirem assim.

Isso pouco ou nada me adiantava. Com irmãos mais velhos do que eu cerca de 15 anos, os amigos deles pra mim eram quase idosos.

Como eu não via possibilidades concretas de arranjar namorado, deixei de pensar nisso. Mais ou menos aos seis anos de idade, época de tais e tantas indagações.

Conformei-me em ser “tia”, coisa que efetivamente fui, aos doze anos.

Mas eu tinha esquecido dos “irmãos” das amigas.

E foi com um deles, irmão da melhor amiga, que eu acabei namorando e casando.

Aos 21.

Ufa! Por pouco escapei de “encalhar”…

One thought on “de casamentos

  1. Na Itália chama-se “Zitella” a mulher que não se casou. Na realidade o termo é mais malvado: “mulher que não conseguiu arranjar marido”.

    Casei com a Eloá, uma das muitas namoradas que tive. Amanhã, dia 28 de janeiro, completamos 26 anos.

    :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *