Desbancada

Standard

Eu achei por muito tempo que as pessoas mais velhas, que tinham vivido outras épocas, eram uma espécie de memória viva. Lembro que conheci muitas delas, a começar da minha avó, a quem eu enchia de perguntas pra saber como era o mundo antes de mim. Sim, porque o mundo se dividia em antes e depois de mim. E ainda se divide, sem que isso seja pretensão. É que não sei por meu referencial em outro lugar que não seja eu mesma e meus olhos.

Eu posso ler, estudar história e antropologia, mas tenho que querer fazer isso. E essa motivação tem que estar dentro de mim pra funcionar. Então…

Mas voltando, usei muito minha avó, meu pai e algumas tias mais velhas como fonte de pesquisas. Gostava mais do que ler livros de história, porque elas contavam as coisas que também estavam nos livros acrescentadas do aspecto pessoal. Elas humanizavam a história, se é que posso dizer isso. Era assim: “ na época do Getúlio, quando eu tinha a padaria da Lapa, seu avô comprou um carro…” e por aí a coisa andava. O Getúlio governava mas a padaria também funcionava e o carro que acabou matando meu avô tinha acabado de ser lançado.

Gosto de história contada desse jeito.

Hoje, devido à minha idade, vejo que eu mesma vou-me tornando uma pessoa assim: a chamada testemunha ocular da história. Eu sou uma pessoa que andei em bondes, em ônibus, em metrô, em trem-bala, em avião com hélice e jato. Que batia minhas mal traçadas linhas numa Olivetti lettera, depois numa máquina elétrica, depois num TK, depois num XT, depois…

E por aí vai. Sou de quando não pudemos votar pra presidente, sou de quando botamos presidente pra fora, sou do tempo da corrupção, continuo no tempo da corrupção, mas isso é história pra outra vez.

O fato é que hoje, tendo me tornado eu mesma a tal testemunha ocular, descubro alguns fatos lamentáveis: em primeiro lugar, não tenho netos pra virem me perguntar coisas, as coisas que a avó viveu, vejam só!

E em segundo, existe o Google e a Wikipédia.

Fui desbancada, sem nunca ter podido botar banca.

Snif.

3 thoughts on “Desbancada

  1. Bípede Falante

    rsrsrs
    Você é ótima.
    Ser desbancada sem nunca poder por banca é muito engraçado ainda que seja quase trágico.
    Eu estou gostando muito de ser testemunha do mundo, da minha vida e da vida dos meus amigos.
    Parece que tudo faz mais sentido.
    beijoss 🙂

  2. Adorei a chegada do Google e parentes. Não tenho vocação para alfarràbio da història.

    [notou que meus acentos estão errados? estou procurando onde foram parar no meu teclado]

    🙂

  3. Oi, minha amiga “testemunha ocular da história”.
    Mais uma crônica inteligente, alegre, que prende a atenção até o seu final inesperado. Parabéns!
    Olhe! Se servir de consolo, eu tenho as duas netas. Mas de nada adianta, diante do Google e da Wikipedia. Bom, posso não passar a história para elas, mas pelo menos elas se divertem com meu festival de besteiras. E isso já é muito bom.
    Abração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *