quando a ficha cai, dói.

Standard

Fazer supermercado do mês sempre foi uma atividade prazerosa pra mim.

Deve ser uma coisa de família.

Em casa, de menina, havia duas coisas que enchiam meu pai de orgulho: a despensa e as estantes de livros. Ambas cheias.  Ele nunca leu nenhum livro, só jornais e revistas, mas dava o maior valor pra eles. Mesmo em épocas de muita necessidade, sempre assinou o clube do livro e todo mês recebíamos dois livros novos.

A despensa, essa sempre estava cheia, o que variava eram os produtos. Em épocas de vacas magras, biscoitos soltos, quebrados, comprados a granel, mortadela ruim, queijo só o pra ralar e nunca foi lá essas coisas. Eu sei por que eu roubava queijo de ralar pra comer e levava a maior bronca no dia da macarronada, quando davam pela falta. Eu comia até a casca, aquela coisa suja e cheia de parafina ou sei lá o quê… Devo ter sido rato na última encarnação.

Mas meu pai gostava de supermercados e eu honro a tradição. Durante anos e anos fiz as compras do mês sozinha. Não dá pra levar criança pequena em supermercado. Com o passar dos anos, meus filhos, ou melhor, minha filha ia comigo. Ela também segue a tradição e curte um supermercado.

Depois que os filhos casaram e foram embora, só me restou voltar a fazer compras sozinha. Vez ou outra o maridão resolve vir junto. Só mesmo se não houver outro jeito.

Hoje ele veio. Sem prática, mais pra empurrar carrinho. A cada coisa gostosa que eu comentava e/ou mostrava a ele, recebia uma negativa peremptória de volta.” Isso não pode! Isso nem pensar! Isso engorda! Aquilo tem colesterol” e outras coisas do mesmo calibre.

Ele tem razão, eu sei.

E eu, mais do que ele, tenho que controlar pressão, colesterol, triglicérides e o escambau.

Mas em certo ponto, ele mesmo percebeu a situação e comentou, entre decepcionado e penalizado:

“amor, dia vai chegar em que a gente só vai poder comer coisas repulsivas. Daí a gente senta na mesa, come rápido e fim de papo. Acaba a gula. “

Por que a constatação da realidade me causa tanta tristeza?

2 thoughts on “quando a ficha cai, dói.

  1. Bípede Falante

    nem me diga que a ficha caí que o buraco é bem lá embaixo e vai fazer um barulhão!!
    eu detesto supermercado.
    meu pai adorava.
    eu só gosto das frutas.
    e elas até que gostam de mim.
    beijoss 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *