de escolhas

Standard

Na onda do meu amigo SP, vou abrir algumas dicas das minhas escolhas.

Laranjas: se estão leves demais para o tamanho, é sinal que devem estar secas, sem suco.

Bananas: prefiro as sem manchas. E com o enorme calor que vivemos, as mais verdes possíveis. Pra durar pelo menos uns dias.

Aliás, aqui não é hábito comprar a comida do dia, como vi em alguns lugares da Europa. Eu mesma compro a da semana e olhe lá! Então as frutas e verduras têm que durar pelo menos a semana.

Abacaxi: se estiver cheirando, já era. Maduro demais.

Verduras de folha: espetadonas, espevitadas. Murchas não servem.

Caqui: confesso que os aliso, de leve. Tento não apertar mas é preciso que estejam firmes no ponto. Nem muito nem pouco.

Tomate: não aperto mesmo. Melhor comprar os italianos bem vermelhos que costumam sempre estar bons. Ou aqueles que parecem um grapefruit, enormes e verdes, pras saladas.

Ovo: depois de comprar um montão de casca quebrada e colada na caixa, abro todas as caixas. E tento não quebrá-los no caminho, o que nem sempre é possível. Freadas bruscas são um terror pra ovos, eu sei por experiência.

Homens: os com senso de humor e boa vontade. O resto a gente ajeita…

Amigas: prestativas e discretas. Daquelas que só dão opinião quando perguntadas. É difícil mas não impossível.

Carros: que andem. Não muito pra competir nem tão pouco que atrapalhem. Que tenham um bom porta-malas. E uma cor bonitinha, que ninguém resiste…

Hotéis: pelos banheiros e pelo colchão. Se forem limpos e duros, respectivamente, pode ser qualquer um.

Jóias: só as que vêem da natureza e não estou me referindo a minas de ouro nem prata nem diamantes. As de sementes ou madeira. Se a festa for muito chic, de vidro.

Filhos: esses não tem escolha. Ama-se e pronto.  E cuida-se, cuida-se, cuida-se, cuida-se….

3 thoughts on “de escolhas

  1. Em relação a alimentos, vou tentar aproveitar as dicas (mas aqui em Portugal algumas coisas exigem critérios diferentes…). Agora, difícil mesmo é escolher mulher. Quanto a mim, escolhi na intuição e dei sorte. Pura sorte. É como na anedota: mais fácil é resolver o conflito do Oriente Médio…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *