barulho

Standard

Eu achava que o pior barulho que existia era o do motorzinho do dentista. E olhe que nem falo daquela britadeira de quando eu era pequena. Falo dos modernos mesmo, que têm aquele barulho bem mais fininho.

Pois é. Não é mais.

Estou há horas agüentando o barulho da vizinha com  seu WAP em punho, lavando calçadas, paredes, vidros.

Eu odeio aquele barulho!

Barulho é coisa difícil de aturar. Eu, andarilha urbana, que na falta de parques e trilhas citadinas caminho mesmo por avenidas e ruas da cidade, vou ensurdecendo com as buzinas, as derrapagens, as motos buzinando, os pagodes e funks. Cada um tem o direito de ouvir o que quiser, no carro e em sua casa. Mas não tem o direito de fazer a humanidade, num raio de 5 km, compartilhar seu gosto musical, na marra.  Por isso fico enlouquecida com as criaturas que abrem o vidro dos carros e colocam seus rádios no último volume. Já notaram que quem ouve rádio de carro alto sempre anda de vidro abaixado?

Tem também o barulho de giz na lousa. Cada vez mais raro, pois hoje se usa mesmo é a caneta nas lousas brancas. Na minha época era giz. Tive um professor de cursinho que pra acordar a turma, segundo ele, raspava de propósito o giz na lousa. Simpático. Muito simpático.

Depois há o barulho dos animais domésticos. Como sou  cachorreira, agüento razoavelmente os latidos de cachorros médios e grandes. Mas meu vizinho tem 3 fox paulistinhas histéricos. Já ouviram o latido do Fox paulistinha? Só perde pro maltês e pro chiuaua.

E tem gato no cio. Sempre dois, porque pra fazerem o que eles estão adorando fazer, precisa dois. Diferente do ser humano, em que às vezes basta um, ou pode ser um montão junto. Gato funciona aos pares. E mia aos pares. Muito.

Enfim, devo estar mesmo é muito chata com a idade. Até mesmo o canto dos pássaros por aqui, antes tão melodioso, agora me incomoda.

Deve ser pelo aumento da oferta.

Maritaca aos bandos, já ouviram? Todas aqui no meu Pau Ferro, fim de tarde e começo da manhã.  E pensar que a primeira vez que ouvi achei tão legal!!

Hoje lembro do meu pai, quando a gente ia pescar e eu não parava de falar, ele me desafiava a “ouvir o silêncio”.  Eu nunca consegui. Hoje queria tanto poder…

4 thoughts on “barulho

  1. Miryam: barulho de liquidificador é necessário. Sem ele, como minhas frutas batidas? Mas eu passava muito bem sem rádio alto…

    MFC: puxa, é mesmo! Eu a confundir Godard com Antonioni! Obrigada pela lembrança, que meus anos 70 estão meio enevoados…

  2. Giz. Mas o grito dos saguis na porta da cozinha, pedindo a fruta que a minha mãe dava nas férias que passou na nossa casa em Salvador, ah!, esse é inigualável.
    🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *