guarda-chuva

Standard

A caminho de Porto Ferreira

 

Eu já pensei que eram mais ou menos como caneta Bic , ou seja, não tinham dono. A gente perde, acha, pega, compra, esquece. Enfim, uma coisa esporádica na vida que não serve a não ser em horas muito específicas. Como um professor de inglês.

Tive trocentos na vida.Guarda-chuvas, não professores de inglês.  Nem lembro de quais cores e tamanhos porque guarda-chuva não foi feito pra ficar na memória de ninguém. Ninguém nunca ouviu falar de “ai que saudades daquele guarda-chuva” ou “não troco meu guarda-chuva por nada”.

Até esta última caminhada no mato. Todo mundo sempre manda levar capa tipo poncho, daquelas que cobrem inclusive a mochila. Eu já havia usado e realmente, no inverno, não tem igual. Mas tem um inconveniente pra quem precisa andar com a vida nas costas. A vida no mato:  alguma troca de roupa, água, chinelo e nécessaire. O diabo da capa pesa. Quase meio quilo.

Na última vez em que andei no mato, começo do verão, a capa só serviu pra eu me molhar completamente: do lado de fora, chuva. Do lado de dentro, suor. Desisti.

Desta vez levei guarda-chuva.

Uau!! Nunca pensei que um mero guarda-chuva preto de camelô fosse um objeto tão essencial à vida no verão da região de Ribeirão Preto.  Ou seja, verão de quase quarenta graus.

No sol – o tempo todo- fez sombra. Sem a qual seria impossível caminhar ao meio dia.

Na chuva, proteção rápida, sem o tira e põe da capa e sem suor.

E, nas necessidades básicas da vida, as fisiológicas, que ninguém é de ferro, fez “casinha”.

Já é difícil fazer o necessário no mato, preocupando-se com seres rastejantes, urtigas traiçoeiras e equilíbrio precário devido à mochila. Agora se além disso ainda existir a preocupação de platéia indesejada, a coisa fica impossível. O guarda-chuva providenciou a privacidade, numa  boa.

E no decorrer do caminho, nas madrugadas, quando o sol ainda não incomoda ou ao entardecer, quando o calorão declina, o guarda-chuva ainda serve de cajado adicional nas subidas e nas descidas.

Guarda-chuva. Não  vivo sem ele.

Muito melhor que professor de inglês!!

5 thoughts on “guarda-chuva

  1. E eu, aqui nesta cidade chuvosa, aprendi faz muito tempo a apreciar o guarda-chuva… e me apego a alguns, tive um suíço que me durou anos e era fantástico e aguentava os piores ventos sem virar do avesso, azul, bonito. E agora tenho um que veio de brinde com um jornal, que parecia ser vagabundo, mas é simplesmente o melhor, não largo dele nunca e nunca o esqueço ou perco. Acho que é amor mesmo…

  2. Compro guarda-chuvas em pacotes. Minhas filhas sempre acham melhor o meu e deixam as sombrinhas. Quando chove, nunca sobra um pra mim. Se vou caminhar pelo centro, ainda é possível não usar, pois as arcadas e marquises dimunuem a necessidade. E nuca compro dos camelôs africanos, que o risco de pagar uma multa alta é grande. Prefiro as lojas dos chineses e compro aqueles escuros, bem masculinos. Que minhas filhas irão usar na próxima chuva.

    Dos professores de inglês, desisti.

  3. Alziro: só pra me contrariar, eis alguém que ama seus guarda-chuvas! Vc está confundindo gratidão com amor! Eu também sou grata aos meus, mas só enquanto dura a chuva. Ou o guarda-chuva. Como diria o poetinha: que seja infinito enquanto dure. 😉

    Estrella: Gracias por el saludo! Aprender portugués no será tan malo, verdad?

    Allan: camelô africano, é? Aqui compro os meus de chineses ou coreanos. E minha filha também costuma perder todos. Deve ser atributo de filho. “qui nem” reclamar da comida…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *