razão, coração e confusão

Standard

Eu já falei pelos cotovelos. Alguns detratores dizem que ainda falo.

Mas é isso: a gente tende a fazer um entrevero daqueles com o corpo e seus pedaços. Uns juram que nosso coração tem suas razões. Outros mandam “beijos no coração”, credo…Outros dizem que o seu coração é de pedra, para alguns é de manteiga, outros alegam ter o coração tão mole que seria de manteiga derretida, uma coisa efetivamente mole.

Para alguns o ar falta quando a adrenalina sobe. Eu inclusa.

Para outros, o ar enche os pulmões quando as endorfinas surgem, arfantes e suados – e fedidos – nas aulas da academia. E sim, todos são peritos em utilizar adrenalinas e endorfinas em suas conversas. Aposto uma paçoca de rolha como sequer sabem o que seria uma e outra. Enfim…

Quando a espinha se curva, mostra-se o rabo (desculpa aí a linguagem chula), dizem os que apregoam o orgulho a toda prova.  Não sei não. Minhas cachorras, nem um pouco orgulhosas, quando levam bronca escondem o rabo.  Deve haver uma diferença crucial entre seres humanos pouco orgulhosos e cachorros submissos…

Outros, aqueles com muitas manias e cuidados, são cheios de dedos. Eu tenho 20 deles (dedos), nos pés mais os das mãos, e sou bem pouco cuidadosa. Também não tenho muitas manias, mas meus detratores discordam.

E tem o estômago. Aquele que fabrica ácidos do inferno em situações igualmente ácidas. No entanto, em situações difíceis, diz-se que é preciso ter estômago. Pra que? Pra poder fabricar ácido? E afinal, há como “não ter estômago”? ( cartas para a blogueira, que está muito interessada em perder os quilos que ganhou ultimamente).

Há também a cabeça dura. Ou os cabeças duras. Esses não mudariam de idéias. Mas todas as cabeças não são duras, passada a fase da moleira mole?  Isso pra não falar dos “miolos moles”, dos desatinados. E não são todos os miolos igualmente moles?

Isso é muito confuso. Ou bem se fala em fisiologia ou bem se fala em filosofia, ou bem se fala em dizeres populares, ou bem não se fala nada e bora lá, dançar um tango argentino…

4 thoughts on “razão, coração e confusão

  1. Bípede falante

    Guria, rio tanto aqui com as suas “tragédias” e reflexões, que você pensa e se pensa com tanto senso de humor :)
    beijoss

  2. Aceito o convite para o tango. haja quem mo ensine. Não ligue aos detratores. Será dor de cotovelo. Mas tem outras partes que doem, não só o cotovelo. Bom de ditos populares você me ganha. Ah e adorei a comparação com os cachorros. Um beijo. (não no coração, credo!) :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *