design e desígnios

Standard

Gosto de coisa bonita, quem não??

Gosto de moda, de decoração, de arquitetura, gosto de design.

Mas tudo tem limite. Até o design, embora alguns arquitetos e estilistas possam não achar.

Canecas, copos e xícaras quadrados. São lindos. Já tive copos assim. Saem da mesmice, cabem melhor nos armários, agradam aos olhos.

Até lavá-los. A sujeira fica ali, nos cantinhos e não há cristo que tire. Nem reza brava. Você gasta a esponja e os dedos ao tentar limpar ali. E daí faz como eu, desiste. Porque mais do que copos lindos, gosto de copos limpos.

Botas de amarrar, ou coturnos. Também acho lindos, tanto que tenho um e já tive mais. Toda vez que pensava em usar, pensava também no tempo que levaria pra amarrar o cordão. Desistia e passava frio. Até comprar uma bota lisa, de zíper.  Mudou a minha vida.

Bancos e cadeiras originais. Desses com 3 pernas ou sem encosto, feitos de madeiras de demolição, patinada pelo tempo ou pelo designer. Lindos. Não pra sentar.

E por aí afora.  Parece que falta aos designers o teste final, o do uso. Ou o do bom senso. Já vi anúncios de TV em Box de banheiros, pra você assistir enquanto toma banho. Eu não consigo lavar cabelo e cara com olho aberto, que dirá assistir TV! Bom, pode ser incapacidade minha, mas não sei não…

Vestidos  tomara que caia. Qual mulher usando um já não levantou e automaticamente teve que puxá-lo pra cima antes que a profecia do nome da roupa se concretize?

Relógios de pulso das mais variadas formas? Já vi gente na rua torcendo a cabeça pra ver as horas em seu relógio octogonal ou hexagonal, daqueles com um número aqui e outro bem longe, tão longe que você perde um bom par de minutos calculando se serão 3, 4 ou 5 horas..

Já tive um anel, que eu mesma comprei num impulso, lindo, original e grande que não me permitia dobrar o dedo!  E um vestido que tive que chamar a vendedora pra mostrar como se vestia.

E, já que esse é um blog em que gosto de lembrar coisas de criança, já tive um pijama que não me permitia ir ao banheiro!

Mas esse não foi culpa do estilista. Foi culpa da minha mãe, que me vestiu ao contrário e a abertura traseira  (era daqueles inteiriços, de criança) ficou na frente.  Diz minha mãe, já que eu era pequena demais, que eu a acordei chorando dizendo que não conseguia fazer xixi…

Ah, esses estilistas e essas mães distraídas…

5 thoughts on “design e desígnios

  1. Eu adoro design, embora concorde que falta um certo senso de realidade entre os designers. E designers não são artistas(embora muitos se achem) e devem saber resolver no design a utilidade da coisa. Francamente.

  2. É, Maray! Existem coisas estranhas, mesmo! E o pior é que tentam nos impingir. Mas, a história de seu pijama foi ótima.
    Abração.

  3. Bípede Falante

    Trágico e cômico. Minha mãe fez pior. Mandou a minha irmã para uma festa usando vestido e sem calcinhas ahahahaha
    Deve ser essa a origem de todo o mal. Pobrezinha!
    Beijos

  4. Mais que design, gosto de conforto. Comprei uma rede enorme, linda e colorida. O primeiro amigo que me visitou em Salvador e achou-a linda levou de presente. Pinicava.

    🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *