caras, caretas e cabeceios

Standard

A gente começa no começo de tudo fazendo mesmo é careta.

Meus filhos faziam um montão de caretas. Aí eu me punha a interpretar algumas. Quando dava certo, tipo eles choravam e torciam a boca e eu achava que era dor de barriga e punha no colo de barriga pra baixo e o choro passava, eu, que sou sugestionável e altamente influenciável, passava a botá-los de barriga pra baixo cada vez que torciam a boca. E por aí a coisa ia. E a humanidade caminhava.

Minhas cachorras também. Quando me olham fixamente e a seguir olham fixamente na direção do portão eu acho que elas querem ir passear. Se é isso ou não, nunca poderei saber. O fato é que elas adoram passear na frente da casa.

Tenho um amigo que quando desvia o olhar, falando com a gente e começa a frase com : bom, então…. eu sei que aí vem explicação. Daquelas que envolvem um sermão. E um descontentamento com alguma coisa.

Eu mesma sei que deixo o olho pequeno se estou com raiva. Se estou com muita raiva ele quase fecha. Mas se eu estiver com raiva num dia de muito sol, mesmo quem me conhece ficará na dúvida. Eu também fecho o olho pra luz. Miopia e raiva andam juntas, eu poderia dizer, mas não digo.

Caras e caretas fazem parte do ser humano.   Muxoxos, biquinhos, piscadelas, franzir de lábios e de narinas.

Mas o maldito cabeceio, que os tangueiros porteños usam pra chamar a mulher pra dançar é muito pra mim. Muito sutil, muito rápido, muito disfarçado.

Vou ter que nascer de novo pra entender. Em Buenos Aires, de preferência.

Já pensou se eu interpreto mal e boto um tangueiro daqueles no colo dando tapinhas na bunda pro mal estar passar? Se fossem meus filhos era o que eu faria.

E já pensou se no fundo for isso mesmo ?

Eu, heim…?!

5 thoughts on “caras, caretas e cabeceios

  1. Ih, em casa de desenhistas, até os pássaros fazem caretas. No caso, como são calopsitas, sei as diferenças de humor pela altura que estão seus topetes, rsrsrsrs…

    Beijocas!!!

  2. MFC: é verdade. Tanto que quando a gente mente o corpo revela. Eu, pelo menos, que fico vermelha e gaguejo. Embora os políticos o façam sem nem ao menos pestanejar, já notou?

    Lu: Calopsita é muito expressiva, mesmo. O topete do meu marido também revela seu estado de humor: quando ele está muito preocupado, fica todo desarrumado e gorduroso, de tanto ele passar a mão na cabeça…;)

  3. Maray,
    Na frente da TV, minha mãe tinha cabeceios que quase a levavam ao chão. Mas, era de puro sono, mesmo!
    Eu sou muito de ler “caras”, “caretas”, “sorrisos” (com a boca, com os olhos). Muita gente nem imagina o quanto dizem, sem dizer nada. Quanto às calopsitas da Lu, você nem imagina o que é carregar as cinco, mais dois periquitos, mais Lu e as meninas e o Vagner, quando vou buscá-los em Sampa para trazê-los ao sítio. É uma epopéia! E o Ed Wood, meu cão beagle? Cada mexida de orelhas, de cauda, dos olhos, tem se próprio significado.
    Enfim… Belíssimo, este seu texto.
    Abração.

  4. JF: Tenho uma sobrinha dentista. Ela compra todo tipo de revistas pro consultório, das “intelectualizadas” até as caras e caretas da vida. Tem também as de esportes, para os homens. Mas ela também é observadora, como a tia, e descobriu que o pessoal, mesmo os “intelectuais” vai mesmo é de caras e caretas! Eu não vou negar, mesmo fazendo muxoxos, bicos e desdenhando, não resisto a uma olhada nas roupas e sapatos ( sou adicta nesse ítem) dos “artistas” , hehehe…
    abração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *