uma pílula, por favor!

Standard

De todos os livros do Monteiro Lobato da série do sítio do Picapau Amarelo, o que mais me fascinou foi aquele em que a Emília engole a pílula que a faz falar dias seguidos, pra “tirar o atraso”.

Porque a palavra é tudo. Eu poderia dizer que a comunicação é tudo, mas pra mim é a palavra, mesmo. Se eu não souber a palavra, o gesto, o corpo, o olhar, vão ter muita dificuldade pra se comunicar. Meu corpo é relativamente analfabeto, coisa que tento corrigir com a dança.

E as doenças que nos tiram o raciocínio, a clareza das idéias e consequentemente, a ordenação das palavras pra formarem um pensamento, pra relatarem aos outros nossas coisas, essas são as piores doenças.

Meu irmão vai por esse caminho, que meu pai já trilhou. Um esquecimento aqui, uma confusão ali, uma dificuldade que chega a gerar uma irritação acolá, por não encontrar as palavras com que se expressar, por perceber, mesmo que não saiba relatar, a confusão interna.

É confrangedor perceber isso. E saber que é um caminho sem volta.

Além do medo. Porque essas doenças, piores até do que as que doem no corpo, essas doenças doem na alma.

Porque não existem pílulas pra ordenar os pensamentos?

5 thoughts on “uma pílula, por favor!

  1. Triste perder a capacidade de se comunicar. Pílulas eficazes ainda não forma inventadas, por isso tento manter o cérebro sempre em atividade, aprendendo coisas novas, criando situações diferentes, saindo da rotina. É a chamada “ginástica para o cérebro”.

  2. MFC: melhor dizendo: pensando enquanto vivemos! 😉

    Alziro: ainda assim, mil vezes melhor fazer confusão do que nem saber do que se trata, né?

    Allan: também tento fazer isso. Ainda tenho que aprender a andar de bicicleta 😉

  3. menina, li uns textos do monteiro lobato que me deram nojo dele, super racista, super preconceituoso! nada a ver com aquele autor que ensinou aquilo tudo pra gente, que deu aquela margem de sonho e inteligencia e cultura e td o mais… decepcionada de chorar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *