escolha ou circunstância

Standard

Ela é morena, interessante sem ser exatamente bonita, de riso fácil. Tem 30 anos. E diz que não quer casar “de jeito nenhum” nem muito menos ter filhos. Alega que todo o instinto maternal de que dispunha dedicou ao boxer com o qual mora. E, mesmo assim, conta os anos que faltam pra ele morrer. Não porque não o ame, mas porque não quer ter ninguém pra cuidar.

Fico chocada, embora esconda. Deixo a sensação pra pensar melhor depois, em casa. Como quando a gente ganha uma bala e não quer na hora, deixa pra chupar depois, em casa.

A “bala” que eu ganhei é a surpresa com as declarações.

Eram as mesmas que eu fazia muito antes dela, mais ou menos lá pelos 18 anos. Não queria “casar de jeito nenhum”, não queria ter filhos. Aliás, naquela época, não queria ter um boxer ou qualquer outra raça de cachorro.

Nem de nenhum outro bicho.

Tive todos.

Casei. Um marido.

Filhos. Dois.

Cachorros. Até agora 5. Porquinho da índia. 2.

Em que momento mudei de idéia não sei bem. As coisas foram acontecendo. Primeiro veio a paixão. O casamento. Nem foi muito pensado ou planejado. Apenas aconteceu. Pareceu-nos natural.

Os filhos. Demoraram muitos anos porque a faculdade exigia muito. Depois também vieram naturalmente.

Os cachorros vieram depois dos filhos. Pra quem já cuidava de duas crianças, cuidar de alguns cachorros não é complicado. E mesmo eles foram vindo assim, muitos por conta própria, abandonados perto de casa, foi só passar da rua pelo portão pra dentro de casa. Simples assim.

Nunca imaginei na vida que teria tudo isso e adoraria tudo isso.

A garota morena tem certeza que não quer nada disso. Mas diz que não “saiu” de casa. Os parentes, poucos, é que saíram. Mãe foi morar em outro país, em outro casamento. Irmão foi morar num terceiro país, estudante. Ela aqui. Ela e o boxer.

Parece feliz.

Agora sei que não é bem chocada que fico.

Fico penalizada.

Posso estar totalmente errada, eu sei. Mas gente que nos ame e a quem a gente ame é muito bom.

Mesmo que seja um boxer.

Tomara a garota descubra o amor.

 

2 thoughts on “escolha ou circunstância

  1. eu sou feito ela, mas já passei beeem dos 30 😉 e nem boxer eu tenho ou terei. mas amigos, amantes, família, tenho, sim. tudo com muito amor :)

  2. Talvez Freud pudesse explicar, mas ele já se foi. Conheço gente assim, que decidiu ficar só. Tornam-se todas muito amargas. Arrependidas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *