cidades mortas

Standard

Não é de hoje que acho cemitérios lugares calmos. Quando era pequena e acompanhava minha mãe ao túmulo da família, onde ela ia com regularidade limpar, polir, trocar toalhas e fotos ( minha mãe tinha mania de limpeza no mundo dos vivos e no dos mortos), eu ficava brincando por ali. Olhando as estátuas, abrindo portinholas de túmulos, metendo o nariz em toda parte. No nosso túmulo, eu cansava de chamar por uma irmã que tive mas morreu muito antes de eu nascer. Fez-me muita falta, uma irmã.

Bem mais tarde, quando tive filhos, às vezes ia passear e ler no cemitério que havia perto de casa. Um grande jardim, sossegado, cheio de flores e nenhuma estátua.

Depois deixei de me interessar. Não sou religiosa e a ligação que tenho com mortos é a do meu afeto. Sinto muita falta de uns, humanos ou animais, de outros nem lembro. Quando minha mãe morreu, deixei ao encargo de uma prima os cuidados com o túmulo. Eu desejo ser cremada, então não preciso ter onde cair morta. Uma assopradela e voilá! Minhas cinzas se juntarão às infinitas cinzas e dejetos desta cidade.

Mas desde que encontrei uma máquina fotográfica que me acolhe e à minha miopia sem brigas, os cemitérios voltaram a me interessar.

São exemplos de estatuária muito bons. A maioria é tosca e comercial, mas alguns nos revelam muito mais do que o nome do morto. Vê-se que a estátua foi escolhida pra refletir um sentimento, às vezes pra refletir uma condição social, às vezes até mesmo a menção do que possa ter sido a vida do morto em questão.

Mais uma vez, você é capaz de aprender sobre a vida olhando os mortos. Ou melhor, o que os vivos que ficaram sentem em relação à morte. Eu sempre gostei de observar gentes. Passei a gostar de observar as cidades de gentes mortas, também.

Algumas fotos:

 

P1040023

P1040216P1030992P1030989

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *