mais uma historinha…

Standard

 

Vou começar contando uma historinha pessoal. Como eu sempre faço, aliás. Não por excesso de vaidade, diga-se, mas por falta de criatividade. Não consigo contar coisas que não vivi, que não vi, que não senti.

Pois bem, meu pai foi leiloeiro. Interessante esse emprego, ou carreira, sei lá. Exige exclusividade. Dá até para entender, quando você imagina que um leiloeiro comprometido com alguma firma possa puxar a sardinha para o lado dela.

Mais ou menos como parlamentares. Fica esquisito o cara ser executivo de alguma empresa e ao mesmo tempo parlamentar. Ou seja, legislar. Legislar em causa própria é muito fácil. Difícil mesmo é legislar em prol do coletivo.

Voltando, novamente. Meu pai deveria ter exclusividade. Não resistiu porém aos apelos de um cunhado e acabou se associando a uma firma. Que, por sinal, faliu.

Tenho certeza que ele nada teve com isso. Nem sabia onde era a firma. Apenas entrou com o nome. Na época, nome limpo.

Resultado do imbróglio: perdeu a carta de leiloeiro, documento que lhe permitia exercer a profissão.

Se o nome continuou limpo, após provar que nada tinha com a falência da firma, a profissão de tantos anos foi para o espaço.

Por que conto tudo isso? Porque foi nessa ocasião, lendo o processo movido e os argumentos do advogado do meu pai é que assimilei um conceito que me acompanhou pela vida afora.

Os advogados argumentaram que o caso em questão não era único. Que fulano e beltrano, leiloeiros famosos, já haviam feito a mesma coisa. E nada lhes acontecera.

Tá certo. Ou melhor, mesmo sendo eu pequena, logo percebi que tinha alguma coisa errada.

Percebi que o que estava errado era a comparação com os erros dos outros.

Muito, muito mais tarde, cheguei a rir com a frase famosa: “ou nos locupletemos todos, ou restaure-se a moralidade”.

Porque é assim que a coisa parece funcionar por aqui, por esta nossa terra.

Só que eu não acho hoje, como não achei de criança, que devamos nos locupletar todos, se isso for à custa da ilegalidade. Quero muito que a moralidade venha a se restaurar. Porque acho que é a forma mais democrática de se viver. A mais justa.

Meu pai pagou o preço. Aliás, nós todos.

Nosso país ainda terá que pagar. Porque essa história de “locupletarmo-nos todos” não é verdadeira. Só têm se locupletado os mesmos de sempre. A moralidade só parece servir aos bobos.

E os erros dos outros não justificam os nossos.

Eu continuo porém, esperançosa. E acreditando em alternativas políticas democráticas e de esquerda. Poderemos um dia locupletarmo-nos todos, sim. E ver a moralidade restaurada. Por que não?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *